quinta-feira, 6 de junho de 2013

POSTAGEM PARA A SEGUNDA FASE DA EJA - CIEP 331

CLARISSE – Legião Urbana

Estou cansado de ser vilipendiado, incompreendido e descartado
Quem diz que me entende nunca quis saber
Aquele menino foi internado numa clínica
Dizem que por falta de atenção dos amigos, das lembranças
Dos sonhos que se configuram tristes e inertes
Como uma ampulheta imóvel, não se mexe,
Não se move, não trabalha
E Clarisse está trancada no banheiro
E faz marcas no seu corpo com seu pequeno canivete.
Deitada no canto, seus tornozelos sangram
E a dor é menor do que parece
Quando ela se corta ela se esquece
Que é impossível ter da vida calma e força
Viver em dor, o que ninguém entende
Tentar ser forte a todo e cada amanhecer
Uma de suas amigas já se foi
Quando mais uma ocorrência policial
Ninguém entende, não me olhe assim
Com este semblante de bom samaritano
Cumprindo o seu dever, como se eu fosse doente
Como se toda essa dor fosse diferente, ou inexistente
Nada existe pra mim, não tente
Você não sabe e não entende
E quando os antidepressivos e os calmantes não fazem mais efeito
Clarisse sabe que a loucura está presente
E sente a essência estranha do que é a morte
Mas esse vazio ela conhece muito bem
De quando em quando é um novo tratamento
Mas o mundo continua sempre o mesmo
O medo de voltar pra casa à noite
Os homens que se esfregam nojentos
No caminho de ida e volta da escola
A falta de esperança e o tormento
De saber que nada é justo e pouco é certo
E que estamos destruindo o futuro
E que a maldade anda sempre aqui por perto
A violência e a injustiça que existe
Contra todas as meninas e mulheres
Um mundo onde a verdade é o avesso
E a alegria já não tem mais endereço
Clarisse está trancada no seu quarto
Com seus discos e seus livros, seu cansaço
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
E esperam que eu cante como antes
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
Mas um dia eu consigo resistir
E vou voar pelo caminho mais bonito
Clarisse só tem quatorze anos


COBAIAS DE DEUS
(Angela Rô Rô / Cazuza)

Se você quer saber como eu me sinto
Vá a um laboratório ou um labirinto
Seja atropelado por esse trem da morte

Vá ver as cobaias de Deus
Andando na rua, pedindo perdão
Vá a uma igreja qualquer
Pois lá se desfazem em sermão

Me sinto uma cobaia, um rato enorme
Nas mãos de Deus mulher
De um Deus de saia
Cagando e andando
Vou ver o ET
Ouvir um cantor de blues
Em outra encarnação

Nós, as cobaias de Deus
Nós somos cobaias de Deus
Nós somos as cobaias de Deus

Me tire dessa jaula, irmão, não sou macaco
Desse hospital maquiavélico
Meu pai e minha mãe, eu estou com medo
Porque eles vão deixar a sorte me levar

Você vai me ajudar, traga a garrafa
Estou desmilinguido, cara de boi lavado
Traga uma corda, irmão (irmão, acorda!)
Nós, as cobaias, vivemos muito sós
Por isso, Deus tem pena e nos põe na cadeia
E nos faz cantar, dentro de uma cadeia
E nos põe numa clínica e nos faz voar


Nós, as cobaias de Deus...





domingo, 29 de abril de 2012

PARA O PRIMEIRO PERÍODO DA FABAMA - 2012


Clarisse - Renato Russo

Estou cansado de ser vilipendiado
incompreendido e descartado.
Quem diz que me entende nunca quis saber.
Aquele menino foi internado numa clínica
Dizem que por falta de atenção dos amigos, das lembranças
Dos sonhos que se configuram tristes e inertes.
Como uma ampulheta imóvel, não se mexe,
Não se move, não trabalha.
E Clarisse está trancada no banheiro
E faz marcas no seu corpo com seu pequeno canivete.
Deitada no canto, seus tornozelos sangram
E a dor é menor do que parece.
Quando ela se corta ela se esquece
Que é impossível ter da vida calma e força.
Viver em dor, o que ninguém entende
Tentar ser forte a todo e cada amanhecer.
Uma de suas amigas já se foi
Quando mais uma ocorrência policial.
Ninguém entende, não me olhe assim
Com este semblante de bom samaritano
Cumprindo o seu dever, como se eu fosse doente,
Como se toda essa dor fosse diferente, ou inexistente.
Nada existe pra mim, não tente
Você não sabe e não entende.
E quando os antidepressivos
e os calmantes não fazem mais efeito,
Clarisse sabe que a loucura está presente
E sente a essência estranha do que é a morte,
Mas esse vazio ela conhece muito bem,
De quando em quando é um novo tratamento,
Mas o mundo continua sempre o mesmo:
O medo de voltar pra casa à noite
Os homens que se esfregam nojentos
No caminho de ida e volta da escola,
A falta de esperança e o tormento
De saber que nada é justo e pouco é certo
E que estamos destruindo o futuro
E que a maldade anda sempre aqui por perto
A violência e a injustiça que existe
Contra todas as meninas e mulheres
Um mundo onde a verdade é o avesso
E a alegria já não tem mais endereço.
Clarisse está trancada no seu quarto
Com seus discos e seus livros, seu cansaço...
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
E esperam que eu cante como antes
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
Mas um dia eu consigo resistir
E vou voar pelo caminho mais bonito.
Clarisse só tem quatorze anos.

PROPOSTA DE ATIVIDADE / FACULDADE BATISTA MACAENSE

Você é pastor/a de uma igreja. Clarisse é uma menina moradora da comunidade onde a igreja está inserida. Num momento de crise, ela vai procurá-lo/a. Produza um texto com o aconselhamento que você faria com essa menina, o que você diria para aliviar sua dor, com base nos princípios bíblicos e de forma coerente, com os pés no chão. Você precisa dizer algo que mude a história de Clarisse, que produza efeito, que choque sem ferir.

PRIMEIRO PERÍODO - Mínimo - 10 linhas;


 Em caso de dúvida: isacmoura@gmail.com

Enviar por e-mail ou entregar impresso com capinha bonitinha na próxima aula, dia 08 de abril. Abração para todos. Me desculpem pela demora da postagem.

terça-feira, 17 de abril de 2012

PERSONAS


01

Dedicatória





Nathália
um sonho, uma ausência, uma saudade;







Matheus
um sonho, uma realidade,
um presente presente;






Ana Paula
a mulher que escolhi amar
enquanto vida houver.





02

Agradecimentos






Aos amigos e leitores.





À Primeira Igreja Batista em Unamar,
especialmente ao companheiro e pastor Luciano,
pelo incentivo, pela moral que tem me dado.





À FABAMA
Faculdade Batista Macaense.









03
APRESENTAÇÃO

            Minha última publicação em forma de livro é de 1998, foi uma parceria com Demétrio Sena, meu amigo, da Academia Mageense de Letras.  Entre 1990 e 1998, publiquei cinco livros, depois dei uma parada. Na verdade, nunca parei de escrever, parei de publicar livros, por uma série de razões. Já estava angustiado precisando publicar-me. Minha amiga Andréa costuma dizer que me alimento de palavras, e acho que tem razão.
            Um dia desses, num momento informal, meu companheiro e pastor Luciano me propôs o desafio de fazer uma publicação em 2009. Eu sei que pela cabeça dele, naquele momento,  deve ter passado uma obra teológica,  eclesiológica, mas saiu isso.
            Estive pensando longamente no formato, na cara que daria a esta produção. Resolvi então chamá-la de PERSONAS, que significa MÁSCARAS, de onde vem a palavra PERSONALIDADE. Então, me apresentarei aqui usando diversas personas:  o cristão evangélico, o amante da Teologia, o estudante de Psicanálise, o ser humano, o homem em construção, o escritor, o sonhador, o educador, o professor apaixonado pela língua portuguesa, pelas artes, o intolerante com a intolerância, o militante das causas sociais, o pai, o marido, o amigo e mais alguma coisa que devo ter esquecido.
              Não sou uma pessoa especial, tenho defeitos, dificuldades, dúvidas a balde, momentos de solidão, momentos de chatice, e é com esse cara que você vai conviver por algumas páginas, por alguns poemas.
            Enfim, obrigado por ter adquirido este livro. Venha refletir um pouquinho comigo. Vamos juntos frustrar o sistema vigente, que vê em cada pessoa um reprodutor do próprio sistema e um consumidor de bens. Diferente disso, somos seres pensantes e como tais precisamos explorar essa nossa capacidade e mostrar a esse  sistema estabelecido que ele falhou: nós pensamos.
            Boa leitura, boa viagem pelas páginas de PERSONAS.

Isac Machado de Moura


04
PREFÁCIO


     Parafraseando o próprio Isac, PERSONAS é um texto livre, estilístico, que atinge o alvo, que não leva o leitor ao dicionário a cada linha; é  claro, objetivo,  leva o leitor a questionar, pensar, refletir, transformar. Tem poemas bem construídos e cheios de vida, com uma ironia para temperar e uma sinceridade quase cortante, enfim, este livro é a cara do autor. Sem  papas na língua, ele apresenta suas  ideias  de uma forma absolutamente contagiante. Não tem como não se sentir inspirado a discutir sobre assuntos que fazem parte do nosso dia a dia aos quais muitas vezes não damos a devida importância.
         Seja como educadores, como cristãos ou simplesmente como seres humanos que somos, este livro encanta, envolve e causa admiração. É um  livro para os dias em que se cansa de engolir apenas o que a televisão mastiga por nós, para os dias em que nos sentimos mal por precisar de uma folga das obrigações, para o dia  que precisamos nos humanizar. É desafiante falar de uma parte de alguém, mas é maravilhoso perceber que ainda existem professores que são construtores de opinião como Isac. Esse livro, creio eu, é um presente para quem vai ler.
     Passeie por estas páginas faminto, pois, sem dúvida, sua fome de questionamentos, de vida, de verdade sem romantismo, plenamente real e ainda assim admirável, será satisfeita.

Stephanie Zuma Lacerda


05

GRÁVIDO

Estou grávido de um livro
Que se recusa nascer,
Acha que vai sofrer,
Prefere não vir à luz.
Já passou do tempo
E já não aguento essa gravidez.
Estou grávido de alguns versos,
Sei que é mais de um,
Talvez chegue a dez
Ou passe
E esse impasse me preocupa deveras.
Sinto dores,
Vai nascer,
Você poderá ler tão logo venha à luz,
Não terá olhos azuis,
Mas fará você pensar.


06


 TEXTO, GRAMÁTICA, LIBERDADE


            Se escrevo, esqueço a gramática.
            Se observo a gramática, não escrevo.
            São tantas regras!
            Melhor escrever,
            Depois revisar,
            Eliminar as aberrações,
            Esquecer o radicalismo gramatical,
            Manter o que interessa:
            A mensagem.
            Se observo a gramática,
            Não escrevo,
            Meu texto fica frio,
            Calculado,
            Regrado,
            Limitado.
            Quero um texto livre,
            Estilístico,
            Que atinja o alvo,
            Que não leve o leitor ao dicionário
            A cada linha.
            Simples,
            Claro,
            Coerente,
            Objetivo,
            Que leve o  leitor a questionar,
            Pensar,
            Refletir,
            Transformar.
            Depois gramática,
            Primeiro liberdade.


07
NOSSA LÍNGUA, NOSSA VIDA

                        Nossa língua,
                        nossa vida,
                        primeiras palavras,
                        primeira lição,
                        nossa cultura,
                        comunicação.
                        Língua nossa de cada dia,
                        do grego, do latim,
                        nossa língua tupiniquim,
                        mais latim que grego,
                        nossa língua sem segredo,
                        purinha não,
                        em constante evolução:
                        estrangeirismos, gírias, jargão,
                        do inglês, um montão.
                        Nossa língua,
                        nosso conhecimento,
                        mudanças, evoluções,
                        enriquecimento,
                        empobrecimento também,
                        ninguém é de ferro,
                        nenhuma língua é de ferro,
                        é flexível,
                        vive em constante mutação,
                        não é da gramática,
                        é do povão...
                        e que lição!
                        Língua nossa de cada dia,
                        novas palavras,
                        novos conceitos,
                        psicológica,
                        neológica,
                        evolutiva,
                        às vezes, natural,
                        ágrafa,
                        bem popular,
08        
sem registro;
                        o registro coloquial
                        em submissão ao culto,
                        dominação,
                        a língua como instrumento de mando,
                        de discriminação;
                        sem anulação,
                        um registro não anula o outro,
                        aborto linguístico não,
                        variação,
                        ambos em harmonia,
                        um formal,
                        outro no dia a dia.
                        Nada de preconceito gramatical,
                        discriminação,
                        ora, a língua é de todos nós
                        e se temos voz,
                        usamos a língua,
                        com regras ou não,
                        isso é comunicação,
                        interação humana.




09

POEMA-PREGUIÇA


Escrever é preciso

Preguiça
O cérebro ferve de ideias
Preguiça
É preciso escrever
As ideias vêm e vão
A preguiça continua
As ideias voltam e voltam
Preguiça
Ou cansaço?
Ou trabalho em excesso?
Preguiça
E as ideias fervilham
Muito depois, sai esse poema,
Cansado
Preguiçoso
Pequeno
Mas as ideias ainda fervilham
Perturbam
Querem sair em forma de palavras
Querem espaço
Compasso do verso
Tropeço
Não raro,
Preciso escrever.

  


10

GENTE



            Muitas vezes, sinto necessidade  de escrever,
            de dizer qualquer coisa
            para qualquer pessoa
            ou algo especial
            para alguém especial,
            de confessar meus poucos segredos,
            minhas muitas fraquezas,
            meus variados medos;
            de declarar meus sentimentos todos,
            de me emocionar:
            chorar, sorrir, vibrar,
            expressar minhas emoções
            quase sempre contidas,
            de expor meus conceitos,
            publicar-me.
            Outras vezes, tenho preguiça
            e não quero falar nada com ninguém
            nem confessar coisa nenhuma
            e aí quero afastar-me de tudo
            e de todos
            e ouvir somente a poesia sonora do mar
            e recolher-me numa introspecção
            pessoal, egoísta, exclusiva.
            Ainda outras vezes,
            desejo dormir e sonhar,
            fecho os olhos e não durmo,
            mas sonho assim mesmo...
            acordado.
            Algumas vezes, sinto-me solitário
            em meio a tantas pessoas...
            e, então, me acho estranho.
            Haverá algo mais estranho
11
            e complexo, e sem jeito
            que a solidão coletiva num elevador?
            É estranha e cruel
            a solidão verbal,
            a falta de palavras,
            o não saber o que dizer,
            o que fazer...
            e aí, no meio do nada,
            um comentário vago
            da parte mais incomodada,
            prova incontestável
            da necessidade humana de interagir:
-          que dia quente, né?
-          que dia frio!
-          Que chuva!
-          ......
e a volta à solidão silenciosa.
Somos apenas humanos
e, por isso mesmo,
complexos... estranhos...
quase iguais,
embora tão diferentes;
amáveis,
odiáveis,
surpreendentes,
inquietantes,
pacíficos,
guerreiros,
Isaques,
Anas,
Marias,
Beatrizes,
gente.... é o que somos de fato.


12
                   GENTE É ARTE

                        Gente costuma ser artista,
                        gente sonha,
                        viaja,
                        gente escreve,
                        interpreta,
                        representa,
                        pinta,
                        dança.
                        Gente fica adulto
                        e continua criança.
                        Gente canta,
                        compõe,
                        fabrica instrumento
                        e dele tira som.
                        Gente descobre-se artista
                        um dia,
                        de repente,
                        gente faz a arte acontecer,
                        Gente já nasce artista.




13
FLÂNEUR

Sou um flâneur,
Em bom português  brasileiro,
Um flané,
Um mané,
Irmão do zé,
Vivo no mundo da lua
Ando pela rua a contemplar
Admirando
Flanando com o tempo
Com o lugar
Com as mudanças
Com as pessoas e suas construções.
“o tempo não para”,
Disse outro flanador
E “todo mundo é parecido
Quando sente dor.”
E assim vou flanando,
Passando,
Voltando ou não,
Formando um arquivo de imagens.
Sou um flanador,
Quase doutor
Na arte de flanar.




14
QUEM SOU EU?

Tenho crenças,
Certezas,
Dúvidas,
Amores,
Paixões,
Sonhos,
Dúvidas,
Projetos,
Expectativas,
Dúvidas,
Medos,
Alegrias,
Tristezas,
Dúvidas...
Enfim, sou gente.
Hoje, construo
As saudades de amanhã,
Tenho dúvidas
E “prefiro ser
Essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião
Formada sobre tudo.”
Como todo ser humano,
Sou estranho,
Caótico.
Tenho uma tendência ao isolamento.
Talvez me entenda melhor
Com os livros do que
Com as pessoas,
Mas amo as pessoas,


15
Embora  frustrem,
decepcionem,
limitem.
São pessoas que escrevem os livros,
Leio pelas pessoas também,
Trabalho com pessoas,
Por pessoas.
Pessoas sempre surpreendem,
Assustam.
Por vezes, me pego solitário
No meio de uma multidão,
Todos falam,
Eu aciono a tecla MUTE
E não ouço nada, ninguém,
Me isolo.
Às vezes
Tenho medo do meu isolamento.



16

ESTRANHO


            Não, eu não sou assim,
            é só hoje,
            amanhã estarei diferente;
            se normal, não sei,
            mas diferente.
            Hoje, estou estranho,
            calado,
            quieto,
            estou pensando no ontem,
            no hoje,
            no amanhã.
            Eu não sou assim,
            estou chato,
            silencioso,
            reflexivo,
            comportado.
            Não...
            eu não sou assim,
            voltarei ao normal,
            ao meu normal...
            hoje não,
            amanhã.
            .....
            Às vezes tenho a impressão
            de que o tempo não passou
            e me vejo no passado,
            adolescente,
            curtindo do meu jeito
            momentos que se eternizariam
            e, então, revivo uma seleção
            cenas bacanas
            e me sinto mais jovem
            do que de fato sou.
17
            Outras vezes,
            percebo que o tempo passa
            e que junto com ele
            passam pessoas,
            fatos, ambientes...
            e ficam as saudades...
            .....
            Hoje, estou chato,
            reflexivo,
            recordativo...
            amanhã será outro dia.

  

18

HOJE NÃO


            Hoje, ainda não quero falar,
            não quero escrever,
            não quero ver ninguém,
            quero apenas recordar.
            Quero relembrar momentos,
            pessoas...
            momentos e pessoas são inseparáveis.
            Quero sentir saudades,
            reviver abraços, olhares, sorrisos,
            conquistas, lutas, vitórias, superações.
            Quero recordar partidas,
            despedidas,
            reencontros.
            Quero rever fotografias,
            correspondências.
            Quero sofrer a ausência de amigos
            que partiram tão cedo
            para não mais retornarem.
            Quero pensar na Paula barriguda,
            reviver a ansiedade do nascimento,
            rever a imagem da nossa filhinha.
            Hoje, quero viver de lembranças,
            cavucar saudades,
            sonhar com o passado,
            quero relembrar aquela lágrima
            que em tantos momentos insistiu em rolar,
            aqueles sonhos que se desfizeram,
            aquelas motos assassinas,
            aquelas doenças misteriosas,
            aquele infarto precoce.
            Hoje, o tempo parou,
            mas logo voltará a passar...
            "o tempo não pára..."
19
O MONSTRO QUE MORA EM MIM


            Paulo,
            O apóstolo  sistematizador do Cristianismo,
            Ora chama de velho homem,
            Ora de carne;
            Freud chama de inconsciente...
            É o obscuro de nós,
            O que milita contra o espírito.
            Esse espírito, para Freud,
            É o superego, o consciente.
            Seja qual for o nome,
            É o monstro que mora em mim,
            Sem valores,
            Sem pudores,
            Sem limites,
            Em constante briga
            Com minha consciência.
            Esse monstro armazena em sua memória
            Imagens,
            Áudios,
            Fatos.
            Ele é autônomo,
            Nem sempre posso controlar
            O monstro que mora em mim.



20
ATESTADO MÉDICO

                        Hoje, quero perder a noção de tempo,
                        dizer coisas descabidas,
                        sem nexo,
                        quero ser imperfeito,
                        insensato,
                        apaixonado;
                        quero tornar-me mais novo
                        que meu filho
                        e quero que ele me reeduque,
                        me ensine,
                        conduza minhas ações,
                        desperte o brilho dos meus olhos
                        diante de coisas pequenas,
                        porém grandiosas,
                        me faça  menino.
                        Quero ter o direito
                        de me contradizer,
                        me modificar;
                        quero andar sem destino,
                        perder um  pouco o tino
                        e dizer bobagens.
                        Quero não me preocupar
                        com as contas a pagar,
                        com ligações a fazer
                        ou a receber.
                        Quero nem ligar
                        quando o sinal bater;
                        não quero ir pra sala,
                        não quero ver diários,
                        notas,
                        nada,
                        quero apenas ir embora,
                        vou fugir da escola,
21
                        aliás,  nem vou lá;
                        vou sentar na areia
                        e observar o mar,
                        ver o dia passar,
                        todo,
                        inteiro
                        e permanecer ali
                        vendo o sol partir
                        e a lua chegar.
                        Quero ver o mar,
                        quero vadiar,
                        perder a hora,
                        esquecer um pouco a escola
                        e todas as obrigações,
                        só ouvir canções,
                        gospel, axé, rock nacional, mpb,
                        viver o agora,
                        o momento,
                        o já;
                        brincar,
                        viajar na maionese,
                        fugir da rotina,
                        correr,
                        tomar banho de chuva,
                        se chover.
                        Hoje, só quero ser gente,
                        Pessoa,
                        quero ficar à toa,
                        me sentir livre,
                        leve,
                        solto,
                        anônimo;
                        quero sentar à margem do São João
                        e atirar pedrinhas na água
                        com o meu menino,
22
                        depois pegar uma  estrada sem destino,
                        andar de mãos dadas com a amada,
                        parar em algum lugar,
                        comer um pastel,
                        um caldo de cana,
                        abraçar a Ana,
                        ir a uma cachoeira,
                        pular na água gelada
                        de roupa e tudo,
                        acampar,
                        curtir o luar.
                        Depois, escrever um poema
                        que justifique minha falta ao trabalho,
                        voltar para casa,
                        ligar o computador,
                        ler os e-mails,
                        responder,
                        tomar nescafé com leite,
                        um pouco de sorvete,
                        um pedaço de pão,
                        deitar no chão e dormir.
                        Hoje, faço trinta e cinco,
                        e me sinto com vinte;
                        de presente queria um cd do Legião Urbana,
                        ganhei todos, antes;
                        um livro do Chico Buarque,
                        um caiaque com remo,
                        um abraço da família,
                        um sorriso dos amigos,
                        o direito de não ouvir um “parabéns pra você”
                        e não saber o que fazer diante de tal tortura.




23

DESCRÉDITO

                   Não confio na imprensa

                        nem na justiça,
                        as duas são manipuláveis
                        e  devidamente manipuladas
 pela burguesia,
estando quase sempre
a serviço do poder.
Justiça?
Ou fazemos com as próprias mãos
ou abrimos mão dela.
Sem dinheiro não há justiça
nem democracia
nem imprensa favoráveis.
A imprensa elogia quem paga mais,
a justiça defende e inocenta
quem tem dinheiro,
poder,
as duas coisas.
Essas são as maiores
conquistas do dinheiro:
a justiça,
o direito de ser julgado
pelo Supremo Tribunal Federal libertador
e a  imprensa.
Seria a imprensa um quarto poder?

  

24
DESENCONTRO

O homem corre,
Entrega-se de corpo e alma
A projetos humanos desumanos,
Pesquisa a terra e o espaço,
Atrapalha-se em seu próprio embaraço,
Acabando preso em um laço
Sem dá um passo pelo progresso.
Chega à lua,
Morre na rua,
Fica na sua;
Mas não consegue o homem
Encontrar-se consigo mesmo,
Nem com Deus,
Nem com o próximo.
Buscando o progresso,
Cai no retrocesso,
Foge da vida.
Chega à lua,
Fica na sua, volta à terra,
Morre na rua.


25

         CONVIVER


            Conviver é arte;
            compartilhar,
            um grande desafio.
            O desafio de dividir,
            amar,
            negociar,
            ceder,
            abrir mão,
            bater o pé,
            insistir,
            desafiar,
            sonhar,
            dizer sim,
            não,
            talvez,
            porque conviver é luta,
            unidade na diversidade,
            discordância na aceitação.
            Conviver é troca,
            adaptação,
            é pensar com o coração
            e ser racional;
            é a busca do normal
            no meio de diferenças,
            considerar desavenças
            e dividir alegrias.



26
         O ETERNO

Nem sempre o eterno é eterno,
ainda que seja, particularmente, eterno.
Há pessoas que passam pelas nossas vidas
por um curto momento,
curtíssimo momento,
mas se eternizam...
jamais se desintegram:
a imagem fica,
a lembrança,
a saudade,
o sofrimento.
Foi assim com Nathália,
eternizou-se,
embora não tenha chegado a nascer.
Pra ser eterno não é necessário nascer,
basta viver intensamente,
transformar vidas,
deixar marcas.
Ninguém é eterno,
apesar de eterna ser a vida.
Embora eternos,
um dia morreremos
e nos eternizaremos
na memória de tantos
e na vida pós-túmulo.



27
MEU MENINO

Meu menino cresceu
Eu não
Já fica um dia inteiro
Longe de nós
Já não chora
Já nem liga
Já bate em meu  ombro
Já calça número superior ao meu.
Outro dia mesmo
O carregava no colo,
Embalava-o até dormir;
Às vezes, eu dormia primeiro.
Lembro dos primeiros passos
Como se fosse ontem,
Das perninhas tortas,
Dos passos trôpegos,
Das primeiras palavras entrecortadas.
Eu não me dei conta,
São dez anos.
Tenho a imagem dele chegando
Com um jacarezinho de borracha na mão;
Das primeiras  noites mal dormidas,
Da primeira gargalhada,
Do primeiro banho,
Do primeiro dia de aula.
Ele não chorou,
A mãe sim,
Ou quase.
Ficou ali parada no portão da escola,
Sofrendo,
Esperando que ele chorasse,
Mas não chorou.
Lembro das vacinas,
28
Eu sofrendo.
Lembro do dentinho quebrado,
Do sangue,
Da agonia materna.
Ah, e quando me esperava acordado,
E quando o carro parava na garagem
E ele corria para mim
Todo sujinho,
Às vezes já cheirosinho,
E me abraçava,
E pulava em meu colo.
Hoje faz dez anos,
Uma década,
O tempo não para
E ele não para de crescer,
Já não posso chamar de bebê.
Ele mudou nossas vidas.
Ainda não me adaptei
A esse tamanho todo.
Dez anos de histórias.



29
CANÇÃO DA VIDA

Se a vida é bela,
você é parte dela,
desse universo,
desse mundão,
é parte dessa canção
que Deus compôs com carinho...
a canção da vida,
que às vezes intriga,
surpreende,
agita,
mas que é sempre bonita
e cheia de emoção.
Se a vida é bela
é porque existimos,
choramos,
sorrimos,
fazemos acontecer...
e se pensa você
que a vida acaba,
está enganada,
ela é eternizada em nossas memórias,
em nossas lembranças;
e se lembro,
está vivo,
está viva,
pelo menos em meu  interior.
A vida é eterna,
nós somos eternos,
eterna é essa canção
que Deus, em seu violão,
vai compondo a cada dia,
produzindo uma harmonia
que nem sempre entendemos.
30
Assim, o compositor divino
vai juntando suas notas,
dedilhando seu violão
e todos vamos dançando
ao ritmo dessa canção.
Ora a melodia é alegre,
ora é triste,
agora uma nota existe,
depois deixa de existir,
pega outra nota ali,
encaixa na melodia,
amanhã será outro dia,
                        será preciso seguir.


NOTA: Para a minha amiga Isabel, num momento de dor.


31
A PONTE

Só há uma forma de evitar,
No futuro,
Uma volta ao passado:
Destruir a ponte que acabamos de atravessar
Rumo ao presente,
Mas geralmente não temos coragem,
Então, algumas vezes,
Voltamos ao passado.
Se algumas vezes
Essa volta proporciona prazer,
Tantas outras proporciona sofrimento,
Mas cadê coragem para destruir a ponte?
E se o futuro não for tão bom assim?
E se de repente, precisar
Me proteger no passado?
Lá estará a ponte,
A garantia de retorno,
Nos tranquilizando,
Nos dando segurança.
Ainda que não a usemos com frequência,
A certeza de que estará lá,
No mesmo lugar,
Nos acalma.
Pode não ser legal destruir a ponte.



32
         DESCONTINUIDADE EDUCACIONAL

            Primeiro plano,
            Segundo plano
            E outro plano,
            Educação vai pelo cano,
            Educador é um cocô.
            Descontinuidade,
            Irresponsabilidade político-eleitoral,
            Descompromisso geral:
            Municipal,
            Estadual,
            Federal,
            Situação ilegal,
            Plano educacional
            Que visa o capital.
            Educação pública de teorias,
            De experimentos,
            Decompromissada com os filhos do povo.
            Os envolvidos com a escola pública
            Protegem seus filhos na  particular
            E danam a testar, nos filhos do povo,
            Teorias mirabolantes,
            Estrangeiras,
            Destinadas ao fracasso.
            Critica-se o professor público conteudista,
            Mas os filhos dos críticos
            Estão numa escola privada conteudista.
            O professor ainda não entendeu
            Que o sistema foi projetado
            Para produzir resultados,
            Estatísticas, verbas,
            Ele não tem que ensinar,
            Não tem que levar os filhos do povo
            A pensar,
33
            Sua função é reproduzir o sistema
            Sem questionar.
            Ele não aceita se submeter,
            Ele sabe onde estão as falhas
            E quer resolver.
            O sistema não perdoa
            E manda-lhe a maldição:
            Terás que trabalhar todos os dias,
            Todos os turnos,
            Te cansarás,
            Pensarás pouco,
            Aliás, nem  terás tempo para pensar
            Muito menos para estimular
            O pensamento nos filhos do povo;
            Do suor, do cuspe e do pó de giz,
            Comerás,  tirarás o teu pão,
            Teu sustento,
            Não terás aumento
            E nem condição de encarar,
            Vais te aposentar sem gratificação,
            Morrerás no anonimato.
            Se fores inteligente,
            Me reproduzirás,
            Pagarás uma escola particular
            Para o teu pequeno,
            Fingirás que ensinas aos filhos do povo,
            Poderás comandar a educação,
            Acolherás todos os planos
            Para o bem da nação
            E garantirás os trabalhadores braçais de amanhã,
            Basta que te prostes,
            Que te submetas,
            Que digas amém.


34
                            TEORIA E PRÁTICA

                   Quanto mais belo o discurso,
                        mais deficiente a prática:
                        palavras belas,
                        discursos inflamados,
                        uma prática fracassada,
                        ineficiente,
                        incapaz,
                        incompetente até;
                        quer compensar a prática
                        com a teoria.
                        Que mania!
                        Fala... fala...
                        um lindo blá...blá...blá...
                        termos difíceis,
                        teorias diversas,
                        geralmente estrangeiras,
                        uma prática lamentável.
                        “Amigos, vamos repensar
                        nossa prática como educadores,
                        vamos resgatar a dialética,
                        vamos resgatar a visão piagetiana,
                        vamos rever nossa práxis.”
                        Belas palavras!
                        Nada contra as teorias,
                        nada contra Piaget
                        (até porque
                        “teoria pedagógica nos filhos
                        dos outros é refresco”,
                        os nossos estão protegidos
                        na rede particular conteudista),
                        tudo contra você, enrolão,
                        que vê a educação
35
                        como um simples quebra-galho,
                        que é um mal profissional
                        e quer pegar um atalho para o “sucesso”.
                        Sucesso é trabalho!
                        Grandes criadores de projetos,espertos!
                        Sua participação é sempre pequena,
“é justo”: já criou o projeto, já apareceu,
                        depois se escafedeu,
                        os colegas que se virem,
                        que façam acontecer.
                        Longas reuniões,
                        inflamados conselhos,
                        há sempre uns pentelhos
                        com ideias mirabolantes
                        para turmas gigantes.
                        Quem é sensato
                        logo vê a impossibilidade
                        e logo é taxado de pessimista,
                        claro que é possível - diz o projetista -
                        como se cada profissional
                        não soubesse o que fazer
                        ou não conhecesse a realidade
                        de sua clientela.
                        Os que trabalham de fato
                        O fazem “calados”, quietinhos,
                        sem “gritar aos passarinhos”,
                        como diria Quintana;
                        vê-se  os resultados do trabalho.
                        Do projetista de plantão
                        nunca vemos nada;
                        ele precisa, então, falar,
                        espalhar aos quatro ventos
                        que é capaz de pensar.
                        Parabéns, colega,
                        mas por  favor, sou pessimista,
                        me deixe apenas trabalhar,
                        só acredito no trabalho, na prática,
                                   e não suporto blá...blá...blá...
36
            O ECA SISTEMA

            Num mundo globalizado, privatizado,
terceirizado e neoliberado
não justifica-se a cidadania;
precisamos apenas,
e nos damos por contente,
ser freguês,
usuário,
cliente.
O sistema é intocável,
cruel,
superior;
o ser humano, um detalhe,
um cocô.

MORTOS SOCIAIS

            Eles têm nome,
            Família, certidão,
            Alguns têm até CPF,
            Identidade,
            Mas estão à margem.
            Se morrerem,
            Ninguém chorará sua partida;
            Não influenciam a sociedade,
            Não são notados,
            São como postes.
            São bichos abandonados,
            Sobrevivem assim.
            São  mais instinto que razão,
            São os mortos sociais.
            Existem vários brasileiros assim,
            E  a pátria não quer papo com eles.

37
OS ANOS PASSAM... AS INJUSTIÇAS PERMANECEM, MAS É NATAL

É natal
E talvez por ser natal
Tudo continue tão desigual:
Uns tão ricos,
Outros tão miseráveis.
Porque é natal,
o papai Noel burguês
e o pequeno burguês
entram pelas chaminés
de algumas poucas casas selecionadas
e deixam presentes.
Mas naquele casebre
De restos de madeira,
Naquele de barro,
Naquele pendurado nas encostas,
Nenhum papai Noel apareceu.
Talvez por não terem chaminés,
Talvez por medo de derrubar
O casebre miserável..
Talvez, simplesmente,
Porque para essa gente
Não existe papai Noel.
Ei, papai Noel dos miseráveis,
É natal,
Acorda, a corda.
Segregaram o natal,
O papai Noel burguês não aparece
Nos casebres proletários,
Mas é natal,
Tempo de confraternização.
Os pobres servem aos ricos
E ficam felizes por servirem,
38
É emprego,
É natal;
Alguns já não têm o privilégio de servir,
É desemprego,
É natal.
O natal dos ricos e dos mais ricos,
Dos pobres e dos miseráveis,
Dos miseráveis e dos mais miseráveis ainda,
É natal,
Confraternização universal.
Nas ruas, alguns se esbaldam,
Outros aproveitam as sobras,
Festa para aqueles que comemoram
O natal das sobras,
Dia 26... é natal,
Confraternização universal.
Para alguns, na véspera;
Para outros, no dia;
Para outros, depois,
Não importa,
É natal...
Noite de sonhar...
Para aqueles que podem dormir.



39
            O PAÍS NOSSO DE CADA DIA


                                   Morte,
                                   escândalo,
                                   roubo,
                                   guerra...
                                   nunca acerta,
                                   sempre erra:
                                   erra o alvo,
                                   erra a dose,
                                   erra... erra...
                                   viola painel,
                                   ficamos pinel,
                                   pega-se um pincel,
                                   tudo se apaga,
                                   quatro anos depois
                                   já não se lembra de nada.
                                   Rouba-se,
                                   votos se compram,
                                   CPI não sai,
                                   tudo acaba em samba:
                                   unidos vai-vai
                                   e assim vai.
                                   Que horror!
                                   Que droga!
                                   Que guerra!
                                   Nunca acerta,
                                   sempre erra.
                                   Erra-se voto,
                                   corrompe-se apuração;
                                   procuro um honesto,
                                   só vejo ladrão.
                                   Pode haver exceção...
                                   Conheço não.
                                   O povo na mão.
                                   Que situação!
40
                                   Doenças aparecem...
do nada?
                                   da miséria;
                                   diz-se que poucos morreram,
                                   mas morreram muitos,
                                   ninguém deveria morrer;
                                   pagamos impostos,
                                   queremos viver.
                                   “Viver é uma ordem”,
                                   diria o poeta.
                                   A vida tornou-se banal.
                                   Que meleca!
                                   Somos parte  de uma estatística,
                                   nada mais.
                                   Destroem armas antigas
                                   e afirmam que estamos em paz.
                                   Eu não aguento mais!
                                   Salários pra baixo,
                                   preços pra cima:
                                   inflação controlada.
                                   E  daí?
                                   Ora, o FMI é aqui.
                                   Tudo acaba em pizza,
                                   bolinhos e muita folia
                                   nesse país nosso de cada dia.



41

SONHO ABORTADO


            Só queria estudar,
            fazer o vestibular
            e cursar uma faculdade.
            Morava numa cidade
            que era maravilhosa,
            descontrolada,
            calamitosa;
            a autoridade competente
            que era incompetente
            disse que dali pra frente
            não havia o que fazer,
            cada um por si
            e vamos ver.
            Ele estudava,
            se esforçava,
            vestibular,
            ia fazer o vestibular.
            Lá no cursinho,
            tão esforçado,
            mesmo cansado,
            ia estudar...
            fazer o vestibular.
            Um belo dia,
            um dia feio,
            saiu mais cedo
            pra descansar,
            ia pra casa
            todo animado,
            mesmo cansado
            de labutar....
            fazer o vestibular.
            Já a caminho,

42
            animadinho,
            indo pra casa,
            que confusão:
            todos corriam,
            se protegiam,
            não entendiam...
            sobreviver...
            só queriam sobreviver.
            E na subida,
            bala perdida
            o encontrou;
            ele parou,
            olhou em volta...
            que tarde torta!
            Caiu no chão.
            Bala perdida
            ceifou-lhe a vida,
            sangue espalhado,
            sonho encerrado...
            vestibular...
            já era o vestibular.
            Saiu mais cedo
            para morrer...
            o que fazer?
            como escapar?
            estava escrito?
            foi o acaso?
            foi o destino?
            incoerência,
            incompetência de governar,
            o descontrole,
            cada um por si
            e vamos ver o que será.
            Fim de uma vida,
            bala perdida,
            43
            cobrem o corpo,        
mais um aborto,
            sonho acabou,
            ele se foi,
            ficou tristeza
            e a certeza
            da incompetência,
            da incoerência de governar.
            Vamos fazer,
            acontecer,
            mandar prender,
            endurecer,
            investigar,
            mas tenha dó,
            foi um menor quem o matou.
            Os seus amigos,
            sua família,
            o seu filhinho
            vão entender:
            não vão prender,
            é um menor,
            um coitadinho,
            revoltadinho,
            com problemas sociais.
            Então não prende,
            vai ficar solto,
            outros abortos vai promover
            e vai crescer,
            vai ser maior,
            mas tenha dó...
            impunidade... impunidade...
            era menor o que matou,
            era maior o que morreu...
            sabe o que deu?
            deu nada não,
44
            era menor,
            matou um só,
            vai matar mais,
            destruir lar,
            vestibular já não há mais...
            sonho acabou,
            foi abortado,
            o assassino foi liberado,
            era menor,
            vai matar mais....
            impunidade.... impunidade....


45

URBANIDADE


Nas favelas,
na baixada,
gente tomando pancada,
tiros rolam lá e cá...
tá...tá... tá...tá...
vai cair para a esquerda,
vai cair para a direita,
vamos apostar....
tá...tá...tá...tá...tá...tá...tá...tá...
caiu... morreu....
banalidade....
menos um,
mais um nas estatísticas governamentais,
mais um lascado,
mais um ferrado,
esse se foi....
urbanidade.... urbanidade....
humanidade urbana,
urbanitária,
massa proletária,
útil pra votar.
Se já votou,
já me elegeu,
então valeu,
me deixa em paz,
vai lá, rapaz,
vai se virar,
já estou aqui,
vou ficar bem,
fica no trem,
eu vou voar.
Justiça... justiça....
46
desigualdade,
urbanidade,
cada um por si,
me deixa aqui,
vou me dar bem,
Saddan Husseim
já se calou...
imperialismo,
o justiceiro,
tomou o petróleo,
derramou sangue,
tem mais dinheiro.
Temos petróleo,
se água faltar,
a Amazônia vamos pegar.
Justiça.... justiça...
urbanidade,
nacionalidade imperialista,
é um artista,
quer dominar,
o mundo todo
submeter,
você vai ver,
vamo’  apostar,
tem relação,
está ligado,
tráfico de um lado
dono da lei
tenho dindin
não fico preso
é isso mesmo
eu mando aqui
eu faço a lei
dono do morro
eu mato o povo
47
como o Jorgin,
Bush é amigo,
não há perigo,
somos iguais
e digo mais...
não vou dizer,
diga você,
vão nos vender,
nos entregar,
colonizar,
tudo de novo,
nós somos povo,
vamos  mudar.
Mudança sem luta armada?
Não teria a Índia sido exceção?
Sei não.
Somos nação colonial,
neoliberal,
colonizada,
recolonizada
e em recolonização;
nos desarmaram,
estamos na mão,
somos da paz,
não somos do mal,
temos um hino nacional
que  já não entendemos...
o que fazer?
Dizer amém,
se entregar,
cantar um funk,
se alienar,
viver feliz.


48
DIREITOS HUMANOS?

Crimes hediondos
sem punição,
crimes que abalaram a nação;
as vítimas foram culpadas,
os criminosos têm problemas sociais,
ou têm dinheiro,
ou influência,
a incompetência de legislar.
O índio queimado,
o assassino do cinema,
os namorados do acampamento,
o calouro de medicina...
chocaram,
revoltaram...
onde estão os criminosos?
Estão bem,
inocentados,
formados,
vidas normais,
todos têm problemas sociais...
Balela!
E a Daniela?
Tão jovem quando foi,
e o criminoso,
hoje, religioso,
inocentado,
eu não aguento mais.
Direitos humanos,
tem comissão,
esquecem a vítima
e defendem o ladrão,
o assassino,
o estuprador,
49
muito caô,
são os problemas sociais.
Não há justiça,
o tribunal,
o bacanal que a justiça faz,
os criminosos são sempre vítimas
de problemas sociais.
Corta uma árvore
e fica preso,
mata um humano
e fica solto,
o  jeito louco de legislar...
o índio,
as vítimas do cinema,
os namorados,
o calouro,
a Daniela...
tadinhos dos criminosos,
precisam de nossa ajuda,
de liberdade para matarem mais,
todos vítimas de problemas sociais.



50
DESESPERO

Às quatro da manhã
já estão de pé
e pegam ônibus,
van,
trem,
um macaense quando tem,
outros vão de bicicleta
para o trabalho
e lutam
e batalham
e enriquecem o patrão
e garantem  a sobrevivência da família.
Chegam em casa
e não há clima
para um beijo na boca,
só um olhar,
nem sempre de amor,
o feijão acabou,
não há café,
o arroz está no fim,
o mês na metade
e o salário acabou.
Dia seguinte,
tudo de novo,
é o nosso povo
que vive assim
com um salário indecente;
os filhos pedem,
não há dinheiro,
não há mesada,
só cadeirada se insistir,
pouco carinho,
pouca conversa...
51
é hora da novela,
não há dinheiro,
não há beijinho,
pouco carinho,
quase nenhum.
Reclamação lá da escola,
o homem olha pro horizonte,
tudo nublado,
escurecido,
e é preciso trabalhar
para comer,
sobreviver,
e outro filho já  vai nascer.
Hoje  foi despedido,
está ferido,
desempregado,
e de novo vai ser pai.
O que fazer agora?
Contas a pagar...
Não há o que fazer,
só esperar
e procurar
e insistir...
morrer não vai,
e vai ser pai
mais uma vez.
Socorro!
Arrego!
Um novo emprego,
preciso sobreviver,
meus filhos têm que comer,
só quero um
dos tantos milhões prometidos,
só quero um,
para comer,
sobreviver,
só quero um.

52
FAVELA

Ana mora na favela.
Lá perto da casa dela,
no meio de uma viela,
tem uma casa amarela,
onde existe uma cadela,
lá perto da passarela.
Ana mora na favela.
Lá tem perigo de morte
e muito risco de vida;
as balas cortam a noite,
lá mora a bala perdida.
A filha de Ana
foi atingida
por uma bala
que lhe retirou a vida.
Ana mora na favela.
A boca é perto da casa dela.
Ana achava a noite bela,
mas a morte de sua filha
lhe deixou muita sequela
e Ana já nem abre a janela,
tem medo...
e está ficando velha.
Justiça é o que Ana deseja,
justiça não existe na favela,
também não tem fora dela.
Agora,
Ana já nem liga a tela,
tem medo de uma bala sair dela.
Ana mora na favela.
Hoje acordou bem cedo,
foi comprar pão

53
e mortadela,
queria que uma bala acertasse ela,
saiu e atravessou a pinguela;
do outro lado,
alguém gritou o nome dela
e Ana pensou ver sua Daniela;
olhou e era a Gabriela,
filha da vizinha tagarela,
amiga da filha dela...
e Ana
vai morrendo na favela.




54
         GRÁVIDA

            De repente viu-se grávida.
            Jovem... tantos planos poucos...
            Um descuido... pintou o clima...
            Uma irresponsabilidade?
            Engravidou.
            E agora?
            Mudança de planos: casar.
            Só pelo filho?
            Por amor?
            Por pressão?
            Tudo mudou.
            Mãe.
            E nem teve tempo direito para ser filha.
            Que filha da mãe!
            Mãe... isso pesa:
            O corpo muda,
            A mentalidade muda,
            Mudam as emoções.
            Amamentar, fazer dormir, adivinhar...
            Tão pouco tempo de prazer
            Por tantas consequências.
            Uma barriga, um filho, uma responsabilidade.
            Educar... quando nem mesmo
            completou seu período de educação;
            amamentar... quando nem mesmo
            deixou de ser criança.
            A televisão?
            A sociedade?
            Os amigos?
            Ela mesma?
            Os dois?
            “Prenda sua cabrita,
            meu bode está solto.”
            55
            O menino não engravida.
            Sua filha é que se ofereceu.
            A vizinhança brinda:
            assunto para nove meses.
            A filha de dona fulana, heim?
            Quem diria?
            Irresponsável!
            Oferecida!
            É bem filha de quem é.
            O menino inocentado... foi vítima.
            Sobre ele ninguém fala... é macho,
            ela é que é sem-vergonha,
            vai com qualquer um...
            Mas só foi com o namorado!
            E a criança?
            Mais um filho de duas crianças.
            O mundo está cheio,
            as barrigas estão cheias
            de crianças indesejadas,
            e é sempre assim:
            de repente.



56
QUE GERAÇÃO!

Geração de debilóides,
idiotas,
imbecis,
alienados,
sem poder de concentração
e que não pensa...
a mídia,
a televisão,
o funk,
agentes alienantes
de uma geração
que não sabe pensar,
que não quer pensar,
que não sabe interpretar
ou entender;
não tem bom papo,
não sabe conversar,
nem conquistar
a menininha...
que geração é essa?
abestalhada,
alienada,
que não tem papo
para a garota,
e puxa pelos cabelos
e força beijo na boca,
que coisa louca
de uma geração tecnológica
de retardados,
alienados,
pitibus e pitiboys,
a mesma coisa...
que geração é essa
57
que estressa,
que se destrói?
que não conversa,
não interpreta,
que se corrói?
Têm músculos grandes
e cérebros em desuso,
pitibus e pitiboys,
fatores alienantes,
a geração da democracia,
os nascidos pós-ditadura,
os usuários de games violentos,
sem papo,
sem conversa,
sem postura,
sem objetivos,
sem uma causa;
que não pensa
porque pensa
que pensar dói,
que se destrói,
que sai em bandos,
que atropela,
que não conversa,
que faz sequela,
que tudo resolve no grito,
na bala,
na covardia,
na influência social do papai...
Que geração é essa,
de alienados,
de mal nascidos
bem nascidos
e deformados...?
Que geração!
E o futuro?
Escuro.
Tem exceção...
Ainda bem...
58

                   NÃO À GUERRA


                        Guerra não,
                        guerra mata,
                        tortura,
                        fere,
                        marca para sempre,
                        separa pessoas,
                        viola sentimentos,
                        produz órfãos,
                        viúvas;
                        guerra é inútil,
                        é besta,
                        egoísta,
                        mesquinha.
                        Guerra é intolerância,
                        incompetência de dialogar,
                        vontade de matar
                        e de exibir poder.
                        Guerra não,
                        queremos paz,
                        compreensão,
                        diálogo.
                        Queremos sonhar
                        com um mundo
                        melhor para nossos filhos;
                        queremos ser humanos,
                        apenas isso...
                        humanos.





59
DESCOBERTA FATAL

A cidadezinha vivia tranquila
Até que um dia
Alguém achou um aparelho.
Era uma caixinha
Bonitinha
Na frente, uma telinha,
E a vida da cidadezinha mudou.
Apertaram um botão
E viram o mundo
E ouviram
E se divertiram.
Toda a cidadezinha parou
Para ver o tal aparelho.
Seria de outro mundo ou não?
Da terra ou de outra dimensão?
À noite, não havia mais conversa,
Todos iam à praça
Ver a telinha colorida
Daquele estranho aparelho.
Alguém teve a idéia de reproduzir
A caixinha
E várias delas foram feitas...
Cada habitante passou a ter a sua...
Cada casa com um aparelhinho na sala
E os diálogos noturnos acabaram
E as músicas que se faziam
Nas noites daquela cidadezinha
Perderam lugar para a música
Da telinha.
A dona de casa percebeu
Que lhe faltava muita coisa
Na cozinha
E começou a consumir.
60
A menina pacata e inocente
Da cidadezinha
Percebeu que era bobinha;
Esperta era a da telinha
E passou a imitá-la.
Com o tempo, a pequena cidade
Perdeu sua identidade e tornou-se sem “valor”.
Inverteram-se os valores,
Acostumou-se aos horrores
Até que alguém concluiu:
“a cidade está dominada”
E a telinha acordada
Impondo seus desvalores,
Horrores de uma civilização.
Um dia, a cidadezinha ficou sem energia
E na escuridão
Percebeu que a solução
Era livrar-se da telinha.
Tarde de mais.
No escuro e acordada,
A cidadezinha percebeu-se dominada...
E agora.... o que fazer?



61
DIREITO AO DIREITO

Perante a lei todos somos iguais
E mais
Livres para pensar
Mas pensar é perigoso...
Eu corro em meu pensamento
Não sento para descansar.
“É livre a manifestação do pensamento,
Direito de resposta...”
Que bosta
Então deixa eu falar
Me avise
Pensamento é  livre
E livre a expressão
Censura não
Inquisição jamais
E mais
“É livre a prática religiosa”
Para todas as crenças
Extensas possibilidades
O estado é  laico
Todos cabemos nele
Intolerância não
Fanatismo
alienação
Abismo
Segregação
Manipulação financeira
Besteira
Cada um sabe o que faz.
Será?
Sei lá.
Sei não.
“É livre a expressão intelectual,
62
Artística ou científica
Independente de censura ou licença.”
Imprensa é livre ou não?
E eu, cidadão,
Posso ou não posso falar?
Sei lá.
Pode agredir.
E aí?
E eu com isso?
Liberdade já.
Tortura pedagógica não.
Solução: “viva e deixe viver”.
Conscientização,
Alienar jamais
E mais
Cada um tem sua cabeça
Esqueça meu jeito de pensar
Não aceite
Respeite
Tenho direitos a desfrutar.
“Ninguém perde o direito
Por convicção religiosa,
Política ou filosófica.”
Será que não?
Repressão
Você tem um direito: concordar.
Que ânsia!
Democracia da concordância:
Aceite – fique;
Questione – caia fora.
É assim.




63
                   SOMOS DEMAIS!
Intolerância,
radicalismo,
arbitrariedade,
tam-tam,
o talibã.
Será que não há um talibã
dentro de nós?
Não foram talibãs nossos avós?
E não somos nós?
Cultura machista, cruel, atroz...
Destino?
Sina?
Onde estão nossas meninas?
Têm igualdade?
Têm voz?
Os bons somos apenas nós:
não somos radicais,
nem tantans;
assim, somente os talibãs;
somos normais,
bonzinhos,
ocidentais
e sabe que mais?
Somos demais!
Democráticos,
liberais,
super legais.
Inimigos da humanidade,
loucos e tantans,
só os talibãs,
nosso governo não...
temos igualdade de direitos,
saúde e educação,
somos legais,
super humanos,
americanos...
somos demais.
64
UMA HISTÓRIA DE EVOLUÇÃO
                   Da fumaça à Internet,
                        quantas formas de comunicação:
                        os tambores...
                        os horrores de uma civilização:
                        colonização,
                        invasão.
                        Línguas se sobrepõem,
                        culturas invasoras,
guerras pela paz...
da espingarda ao antraz...
evolução da humanidade...
grande capacidade de auto-destruição;
encara-se tudo,
tem-se medo de avião...
                        Eh! Mundão!
                        Avanços aqui na terra,
                        festa de arromba:
            queremos guerra... temos bomba.
            O século da comunicação,
            diálogo na terra:
            argumentação para justificar a guerra.
            Tem-se amigo na Alemanha,
            mas não se conhece o vizinho,
            milagres da comunicação:
            Internet,
            o breguete do século
            da globalização,
            da frieza,
            da distância,
estância milenar;
o ser da beleza,
realeza do planeta,
os donos da mutreta,
os geradores da corrupção.
Comunicar-se,
65

necessidade humana
e humanitária,
            ora para o bem,
            ora para o mal,
            através dela:
            cria-se vacina,
            cria-se guerra,
            mata-se,
            salvam-se vidas...
            o homem domina,
            o centro,
            o ser,
            o dono...
            nós,
            o caos.




66
UM  PERFIL HUMANO

Depressão,
Melancolia,
Transtornos,
Pânico,
Inveja,
Ciúmes,
Decepções...
Tudo mexe com nossas emoções,
Nos abala.
A maior parte dos nossos problemas
Está em nós mesmos,
E também em nós mesmos
Estão as soluções.
Podemos nos adoecer e nos curar,
Podemos ver o que não existe
E ignorar o que é real;
Podemos ser inocentes,
Culpados,
Podemos ser do bem ou do mal.
Somos gente,
Humanos,
Problemáticos,
Resolvidos,
Felizes ou não.
Depende basicamente de nós.




67
MONOPÓLIO DA FÉ

Todo poder lhe pertencia
Até que um dia
O homem resolveu ousar,
E com essa ousadia
Pôs em dúvida seu poder.
Ela não admitiu.
Torturou,
Excomungou,
Matou,
Feriu...
Tudo em nome de uma fé distorcida,
De uma visão distorcida de Deus.
Estava desesperada
Com a possibilidade de perda do poder,
Isso não podia ter acontecido:
O homem ousou questionar.
E tudo se modificou,
Quebrou-se o monopólio da fé.



68
PODER E PECADO

“Todo poder é pecado”,
Todo domínio sobre o outro é arbitrário.
Toda forma de controle
Pressupõe poder
E sempre que um homem detém o poder,
Tende a sentir-se infalível,
Justo.
O poder é a pior das máscaras,
A persona mais cruel.
O mascarado pelo poder
Deseja ser visto como superior.
O outro é inferior.
Como exercer poder sobre o outro
Sem pecar,
Sem sentir-se um pouco dono desse outro,
Do seu destino?
Todo poder é pecado.



69
PERSONAS PRESENTES

Num ambiente formal,
Ninguém é autêntico,
Original.
Todos portam máscaras,
Algumas são lindas.
A formalidade do ambiente exige isso.
As máscaras caem
Na informalidade da brincadeira,
No espaço familiar,
Entre os mais próximos,
No trânsito,
Nos intervalos de aulas,
Nas salas de professores,
Nos encontros de médicos,
Padres,
Pastores,
Nos encontros informais.
As personas exigem respeito
Quando seus portadores
Nem sempre respeitam;
As personas tiveram passados perfeitos;
Seus portadores nem sempre,
Quase nunca.
As personas são santas,
Seus portadores profanos;
As personas são justas,
Seus portadores hipócritas.
Nem sempre personas e portadores
(máscaras e mascarados)
São compatíveis.
Quase nunca.


70
SERES HUMANOS HUMANOS DEMAIS
  
Pragmático
Dogmático
Cético
Emotivo
Flexível
Crédulo
Nós
Humanos
Humanos demais
Para entendermos Deus.
Físicos
Espirituais
Psicológicos
Formamos um todo
Um kit.
Indivisíveis
Dialéticos
Espiritualizados
Ou céticos
Humanos demais
Egoístas
Solidários
Diferentes
Iguais
Pensantes
Alienados
Seres humanos
Humanos demais
Gente
Eu
Você
Nós
O caos
71
COMO  DEUS ME VÊ

Quando Deus olha dentro de mim,
O que será que Ele vê?
Talvez Ele não veja a mesma coisa
Que vejo quando me ponho
Diante do espelho,
Talvez Ele veja algo que não está à mostra,
Talvez veja um cara normal,
Talvez um monstro,
Um egoísta,
Um preconceituoso.
Quando ele olha pra mim,
Vê consciente e inconsciente.
Tenho medo do meu inconsciente,
É assustador,
Sem limites,
Sem princípios,
Sem regras.
Quando Ele olha pra dentro de mim,
Vê uma natureza insubmissa
Que  preciso controlar.
Somente uma coisa me tranquiliza:
Independente do que veja,
O faz com misericórdia,
Com um amor sem tamanho,
Com um ar de
“mesmo assim, eu te amo.”
Ele não me vê como o outro me vê,
Uso máscaras,
Personas,
E com elas defino como quero ser visto
Pelo outro,
Mas Deus vê além das máscaras,
Além do que mostro
72
E deve achar ridículo, patético,
Quando escolho uma máscara
Tão distanciada de minha realidade.
Não passamos de personalidades mascaradas,
Capazes de proferir belos discursos
E de vivermos completamente diferente deles,
Capazes de dizer “te amo”
Enquanto pensamos qualquer coisa diferente disso,
Capazes de declarar a Bíblia nossa regra de fé
E  de não aplicarmos seus ensinamentos,
Capazes de fazer a “obra de Deus”
Quando estamos, na verdade,
Fazendo a nossa obra,
Buscando a nossa promoção,
Pensando numa possível candidatura
A um cargo político.
A diabólica “santa inquisição”
Pertence ao passado,
Mas continuamos matando o outro,
Se não fisicamente,
Espiritualmente;
Se já não o confinamos para sempre
Em calabouços,
O segregamos,
O afastamos,
O comprometemos
Emocionalmente.
E descaradamente,
Fazemos tudo isso em nome de Deus.
O outro é diferente,
O diferente é estranho,
O estranho me perturba,
Eu quero ficar bem com Deus,
Para isso, preciso distanciar-me do outro,
Do não eu,
73
Do não cópia,
Do não amém,
Então vou pedir a Deus
Que afaste de mim o outro
Para que eu volte a ficar bem.
O outro pode ser o caos
E como não sei lidar com o caos
Que Deus o leve para longe.
Não quero que Deus veja isso em mim.
Quero que veja um pecador,
Um usuário de máscaras,
Um ser humano cheio de falhas
E de boas intenções,
Um caos ambulante,
Um ser em construção,
Capaz de errar
E de reconhecer seus erros,
Capaz de magoar
E de pedir desculpas,
Um ser incompleto,
Porém de cara limpa.


74
TOLERÂNCIA TEOLÓGICA

Sonho com uma teologia que una mais
e divida menos;
com uma teologia que não me faça
olhar para meu irmão católico,
para o meu irmão ortodoxo,
e vê-los como  não-cristãos;
com uma teologia que me permita
olhar para o meu semelhante
praticante de cultos não-cristãos
e vê-lo como alguém importante para Deus,
como alguém por quem Cristo também morreu,
como alguém tão especial quanto eu, se sou especial.
Sonho com uma teologia não-segregacionista,
com uma teologia menos denominacional e mais cristã.
Sonho com uma teologia cristã que me permita
ver em Buda, Gandhi,
Madre Tereza, João Paulo II, Luther King,
um objetivo comum, ainda que por caminhos diferentes;
Com uma teologia que me faça pensar,
questionar, entrar em crise e sair dela (ou não),
e que me leve a entender que acima da própria teologia
está o outro, o ser humano,
a criação mais fantástica de Deus;
que embora praticante de outro culto,
que embora diferente de mim,
que embora defensor de outros dogmas,
de outras doutrinas, de outra teologia,
continua meu semelhante,
alvo do amor de Cristo,
mais importante que qualquer teologia.
É essa teologia que aprendi,
É nela que acredito,
É esse Cristianismo que vivo.
75
PARA ONDE CAMINHA A IGREJA?

Igrejas,
Projetos,
Comunidades,
Dogmas,
Doutrinas,
Tradições,
Costumes,
Pessoas.
O que representam as pessoas?
Prioridade?
Estatística?
Números apenas?
As pessoas têm fé,
Têm família,
Têm estômago.
As pessoas são vítimas de desigualdades.
E a igreja nisso tudo?
Amém?
Sermão, boa música e tudo bem?
Resolve tudo a oração?
Para onde caminha a igreja?
Em que direção vamos?
A igreja somos homens,
Mulheres,
Crianças,
A igreja é esperança.
Evangelho social,
Teologia da libertação,
Pode ser uma boa direção.
O estômago primeiro,
Depois o evangelho,
Ou nada fará sentido.
Que momento é esse do Cristianismo,
76
Em que  ignora-se o socialista  “pão e peixe para todos”
E valoriza-se  o capitalista
“farinha pouca, meu pirão primeiro”?
E os líderes,
O que fazem, de fato, pelo seu povo,
Pelas suas ovelhas,
Além de negociarem seus votos,
De fecharem acordos,
De se beneficiarem,
Alegando visão e audição apuradas,
Sobrenaturais até?
Estou farto.
Apesar de tudo isso,
Ainda existem líderes
Que a exemplo de Francisco de Assis,
Embora sem o extremo do voto de pobreza,
Entendem que suas necessidades,
E apenas elas,
Precisam ser atendidas,
E dispensam o luxo,
E esquecem de si próprios
E vivem pelo seu povo;
Aqueles, que a exemplo de Cristo,
Se dispõem a dar a vida
Por suas ovelhas;
Aqueles, que assim como Luther King
(um norte-americano do bem),
leva seu povo a entender
que as diferenças existem
e devem ser respeitadas
e que as desigualdades, essas sim,
precisam ser exterminadas,
e que pior que a maldade dos maus
é o silêncio dos bons;
líderes que entendem
77
que o mais importante
não é a denominação,
mas os princípios universais
de amor ao outro
estabelecidos por Cristo;
que todos fazemos parte de uma teia,
que todos somos gente,
e que, consequentemente, temos falhas.
Gosto de líderes povo,
De líderes gente,
Que embora austeros,
Não são autoritários,
Dos que diferenciam autoridade de autoritarismo,
Dos que dominam a si mesmos.
Gosto de Luther King,
Que embora chamado para o sacerdócio,
Não deixou de lado as lutas sociais do seu povo,
Ou, que embora lutador das causas sociais,
Não renunciou ao sacerdócio;
Gosto de João Paulo II,
Que embora conservador,
Conquistou uma geração de católicos e não-católicos;
Gosto de líderes que mudam,
Que são “metamorfoses ambulantes”,
Que reconhecem quando erram e se desculpam,
Que não negociam a fé,
Nem a sua, nem a dos outros;
Gosto de líderes que falham.



78
MISSÕES

                                   Desafio?
                                   Chamado?
                                   Ordem?
                                   Vocação?
                                   Convocação?
                                   O que é missões?
                                   Enquanto pensamos,
                                   corações sedentos aguardam,
                                   esperam,
                                    anseiam
                                   agonizam,
                                   ressecam,
                                   param de bater.
                                   E nós, onde estamos?
                                   Guardados na segurança do templo....
                                   Protegidos.
                                   O que temos feito?
                                   Temos entendido o chamado?
                                   Temos agido?
                                   Ou, simplesmente,
                                   temos nos omitido,
                                   protegidos na declaração
                                   de que pouco temos a oferecer
                                   e de que Deus enviará outros?
                                   Os campos são tão grandes!
                                   O Brasil é tão grande!
                                   A igreja é tão grande!
                                   e há tanto por fazer...
                                   “Vamos precisar de todo mundo,
                                   um mais um é sempre mais que dois.”
                                   Missões é o coletivo
                                   para o coletivo,
                                   o coletivo para o individual,
79
                                   o individual para o coletivo.
                                   Fazer missões é
                                   “investir vida na vida”,
                                   é ouvir um grito desesperado
                                   e atendê-lo,
                                   é dizer sim ao chamado
                                   e disponibilizar-se:
                                   “Senhor, estou aqui, envia-me!”
                                   Missões externas,
                                   Missões internas...
                                   O continente africano
                                   e a África que existe
                                   em nossa cidade,
                                   a região Nordeste do Brasil
                                   e o nordeste que existe em Tamoios...
                                   Missões: voluntários convocados,
                                   voluntários comprometidos...
                                   Fazer missões é renunciar
                                   ao conforto,
                                   à estabilidade,
                                   à confortável rotina,
                                   à normalidade;
                                   é abraçar a causa da evangelização
                                   e, se preciso, dar a vida por ela;
                                   é viver o hoje
                                   com a certeza do amanhã em Cristo,
                                   é dizer para um estranho:
                                   “estou aqui porque amo você”
                                   e chorar na solidão da madrugada
                                   intercedendo por ele.
                                   Fazer missões é extra-humano,
                                   é sobre-humano,
                                   porém humano,
                                   porém divino.
                                   Missões é, acima de tudo,
                                   80
                                   um caso de amor....
                                   Mas como fazer missões
                                   Sem invadir a cultura do outro,
                                   Sem violar seu direito de liberdade religiosa?
                                   “Ainda que eu falasse
                                   as línguas dos homens
                                   e dos anjos,
                                   e não tivesse amor....”
                                   nada de bom estaria fazendo,
                                   de fato,
                                   pelo outro.



PRETENSÃO

Eu tentei!
Só queria fazer um poema louco,
bem louco,
onde o poeta fosse o próprio poema
e o poema,
o próprio poeta,
que não seria poeta,
mas poesia;
onde o poema do poeta
fosse poesia poética
e que essa poesia
levasse o leitor a pensar!
Não sei se consegui!